Idosos e os cuidados que devemos ter

Olá, amigos MenteFitness! Tudo certinho com vocês? Espero que sim!

Neste artigo, abordaremos um pouco sobre a qualidade de vida do idoso e como podemos melhora-lá, logicamente baseado em estudos e dados do governo. Então, vamos lá!

Antes, precisamos saber quem se enquadra na faixa etária do idoso. E, de acordo com o Estatuto do Idoso Brasileiro no ano de 2003, em forma de lei, é assegurado e considerado idoso, todo e qualquer cidadão com idade igual ou superior aos 60 anos.

independencia-e1481898796711E como anda os dados a respeito da quantidade de idosos em nosso país? Segundo a Secretaria de Direitos Humanos (2012), em pesquisa realizada, no ano de 2012, foi observado que o número de idosos no Brasil cresceu 55% em 10 anos, seguindo o crescimento global deste grupo acima dos 60 anos, que em 2012 atingiu 11,5% da população mundial. Em 2011, segundo o IBGE os idosos no Brasil alcançaram a marca de 23,5 milhões de habitantes, se contrapondo ao de crianças até 4 anos que no mesmo ano marcou 13,3 milhões. Impressionante, não!?

E o que devemos ter como preocupação? É bem simples! Com o elevado crescimento do número de idosos no meio social, também elevam-se algumas preocupações que são peculiares a esta fase da vida, como as quedas. Estas, que podem surgir de diversos fatores e múltiplas causas, entretanto no Brasil, cerca de 29% das pessoas com mais de 60 anos caem ao menos uma vez ao ano e 13% caem de forma constante (PERRACINI e RAMOS, 2002).

Exatamente isso! Temos que nos preocupar com o índice de quedas, pois sabemos que a recuperação destas quedas não são como antes, um adulto já tem uma recuperação mais lenta se comparado a um adolescente, pois, com o passar da idade tendemos, fisiologicamente, a sermos mais lentos. Imagina um idoso!

Durante o processo de envelhecimento o desempenho motor, o equilíbrio corporal, agilidade reflexiva, tempo de reação, entre outros, se tornam cada vez mais frágeis, resultado da queda funcional. Desta forma, os idosos tendem a obter disposição especial para contrair outras enfermidades derivadas das quedas, podendo ter mais de uma patologia (PERRACINI, 2006).

Com o desempenho motor comprometido o índice de queda se eleva. Estas quedas trazem consigo uma gama de consequências e não apenas as fraturas e até mesmo a morte, mas também o medo de cair novamente, este fator que reduz a vontade do idoso em realizar atividades, gerando uma baixa no seu nível de saúde. Causando, além de problemas psicológicos e físicos, um elevado gasto com os serviços médicos atrelados a saúde (PERRACINI e RAMOS, 2002).

A pratica de atividade física se torna uma grande aliada na prevenção de quedas dos idosos, pois quando se está nesta fase já se tem perdido uma considerável quantidade de massa óssea, especialmente nos idosos do sexo feminino, assim como há uma redução gradativa na força máxima muscular. Desta forma a atividade física se torna uma excelente ferramenta de saúde, auxiliando fisiologicamente e psicologicamente (NÓBREGA et al., 1999).

Bom pessoal, é aqui que paramos este artigo. O próximo, mostrará como os exercícios podem ajudar os Idosos. Espero ter contribuído com vocês. Um abraço e até a próxima!

Referências:

  1. Presidência da República Casa Civil, Subchefia para Assuntos Jurídicos. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/L10.741.htm.
  2. Presidência da República Secretaria de Direitos Humanos. Disponível em: http://www.sdh.gov.br/assuntos/pessoa-idosa/dados-estatisticos/DadossobreoenvelhecimentonoBrasil.pdf.
  3. CAMARANO, A. A., PASINATO, M. T. Envelhecimento, condições de vida e política previdenciária: como ficam as mulheres? Rio de Janeiro: IPEA, jun. 2002 (Texto para Discussão, 883).
  4. PERRACINI, M. R. Prevenção e manejo de quedas no idoso. Revista Brasileira Otorrinolaringologia, São Paulo, v. 72, n. 5, p. 683-690, 2006.
  5. NÓBREGA, L. C. A., FREITAS, V. E., OLIVEIRA, B. A. M., et al. Posicionamento Oficial da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte e da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia: Atividade Física e Saúde no Idoso.

Comentários

Comentários

Compartilhe através do: